​​​​​​​

Coleção ADI

A "Coleção ADI de Fotografias" é um projeto do Atelier de Impressão que reúne obras assinadas por nomes consagrados e novos talentos da fotografia.

Com o objetivo de incentivar o colecionismo e a valorização da fotografia no universo das artes, todas as obras são produzidas em impressoras Canon e papéis Canson Infinity, com garantia de alto nível de longevidade e durabilidade, acompanhadas do certificado Canson, além de nota técnica com informações sobre cuidados, processos de impressão, manuseio adequado, conservação e biografia do artista.

Mantendo o padrão fineart, as fotografias estão disponíveis em um expositor criado exclusivamente para o projeto, com design inovador e versatilidade funcional para acomodar e transportar as obras, permitindo que a "Coleção ADI" percorra os principais eventos de fotografia do país, bem como galerias, livrarias, lojas de design e espaços culturais que se enquadrem no perfil do projeto.


Cada exemplar selecionado para a coleção conta com uma tiragem numerada e limitada em 50 fotos, e está disponível por valores acessíveis à maioria do público consumidor. 

Nossos Artistas

Alfeu Tavares


Alfeu Tavares é formado em Direito e Fotografia na Universidade Católica de Pernambuco, atua como fotojornalista na Folha de Pernambuco desde 2014. Sua trajetória na fotografia vem acompanhada de sua vivência com diversas culturas orientais e ocidentais e formas de vida distintas. Fotografou mais de quarenta países em quatro diferentes continentes, o que lhe propiciou e criou uma percepção aguçada para notar o diferente além da aparência usual. Atualmente dedica-se exclusivamente ao fotojornalismo, área na qual materializa seu gosto pela fotografia aplicada ao cotidiano.


Amélia Couto


Amélia Couto é Designer de formação, ceramista e fotógrafa. Tem realizado exposições de fotografias individuais e coletivas, como as mostras individuais no Espaço Cultural da Paraíba, João Pessoa, e no espaço interno da Caixa D’Água de Olinda, no alto da Sé. Exposições coletivas como “Mostra Recife de Fotografia”; “I Salão Bahia de Celular Filme” (Mambahia); “Lusovideografia” na Galeria Oi Futuro, Rio; “Femina”, exposição de artistas mulheres na Arte Plural Galeria; coletiva Ponto de Vista – Pele Sobre Pele, em Basel, Suíça e no Espa-ço Cultural da Paraíba, entre outras. Como designer seus primeiros trabalhos foram a expografia do Museu do Ho-mem do Nordeste e o desenho do mobiliário da Galeria Metropolitana de Arte Aloisio Magalhães, hoje MAMAM, ambos na década de 1980. Nos anos de 1990 foi fundadora e presidente em Pernambuco da Associação Cultural Le Hors Là, responsável por um intenso programa de residências de artistas entre Brasil e França, especialmente, Marselha. Atualmente presido o Instituto Cultural Raul Córdula, instituição sem fins lucra-tivos através da qual realizam e cursos e oficinas de arte, produções de expo-sições e edições de livros sobre arte, além se seminários de crítica de arte. Foi laudista de exposições como a de Samico realizada recentemente pela Caixa Cultural e “Pernambuco: Primeiro Retrato do Brasil” no Espaço Cultural dos Correios do Rio de Janeiro. Em 2010 foi a artista premiada, com fotografia, no “Anuário Brasileiro de Artes Plásticas Consulte”.

Ana Araújo


Ana Araújo, nasceu em Tacaratu, sertão pernambucano(1966). Graduada em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco, iniciou a carreira de fotojornalista na imprensa sindical e na Folha de Pernambuco (1988). Como freelancer, atuou no Recife nas sucursais dos jornais O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo. Trabalhou no Jornal de Brasília(1992) e na sucursal de Brasília da revista Veja(1995). Recebeu cinco prêmios Abril de Jornalismo (entre 1998 e 2006) e foi homenageada na “V Mostra Fotográfica dos Profissionais Credenciados da Presidência da República” (1999). Recebeu o 7º Troféu Mulher Imprensa, da revista Imprensa, na categoria Fotógrafa de Jornal e Revista (2011). Participou de várias exposições coletivas em Brasília, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo. Reside no Recife, onde trabalha nas áreas jornalística e publicitária, bem como na gestão e produção cultural da PROSA – Projetos para o Semiárido, organização não governamental que idealizou e ajudou a fundar na sua cidade de origem.

Arnaldo Carvalho


Arnaldo Carvalho é editor de fotografia do Jornal do Commercio. Recebeu alguns prêmios, como o Esso de fotografia 2009, Prêmio Sinduscon de Fotografia 1999 e Prêmio Cristina Tavares de fotografia 2009. É fotógrafo convidado do Projeto Lambe Lambe desde 2003. Possui fotos no acervo da Getty Images e no acervo do Projeto Escambo Fotográfico. Também possui publicações nos principais veículos de comunicação do país.

Cristiana Dias


Cristiana Dias graduou-se em Jornalismo (UNICAP), fez especialização em Fotografia Profissional (Centro Luiz Freire), em Estudos Cinematográficos (UNICAP) e mestrado em Artes Visuais (UFPE/UFPB). Trabalhou como repórter fotográfica por 12 anos e desde 2010 exerce a função de editora de fotografia na Folha de Pernambuco. Gosta de mar, de dança, yoga, tem duas filhas e deseja ser estupidamente feliz.

Evandro Teixeira


Evandro Teixeira nasceu na cidade baiana de Santa Inês (ou em Irajuba, segundo outras versões), em 1935, iniciando sua carreira jornalística em 1958, em O Diário de Notícias, em Salvador, transferindo-se depois para o Diário da Noite (do grupo dos Diários Associados, de Assis Chateaubriand), na cidade do Rio de Janeiro, onde se radicou e mora até hoje. Em 1963, ingressou no Jornal do Brasil, onde se tornou uma figura mítica do fotojornalismo nacional. Trabalhou no JB durante 47 anos, deixando o jornal apenas em 2010, quando este interrompeu a circulação impressa para se concentrar apenas na edição on line. Extremamente versátil, destacou-se em diversos campos da cobertura jornalística, desde os temas políticos até a fotografia de esporte. Entre os momentos marcantes de sua carreira figuram a cobertura da chegada do general Castello Branco ao Forte de Copacabana durante o golpe militar de 1964, a repressão ao movimento estudantil no Rio de Janeiro, em 1968, e a queda do governo Salvador Allende, no Chile, em 1973; assim como a cobertura de diversos Jogos Olímpicos e Copas do Mundo. É autor dos livros: Fotojornalismo (1983); Canudos 100 anos (1997); e 68 destinos: Passeata dos 100 mil (2008), sobre integrantes da celebrada manifestação de protesto à Ditadura Militar, que Evandro fotografou quatro décadas mais tarde.

As fotos de Evandro integram acervos de museus como o de Belas Artes de Zurique, na Suíça; Museu de Arte Moderna La Tertulha, Colombia; do Masp, em São Paulo, do MAM e do MAR, ambos no Rio de Janeiro. Um de seus livros, Fotojornalismo, está na biblioteca do Centro de Artes George Pompidou, em Paris. Em 1994, teve o seu currículo inserido na Enciclopédia Suíça de Fotografia, que reúne os maiores fotógrafos do mundo. Em 2004, sua vida e obra foram retratados no documentário "Instantâneos da Realidade". Entre os prêmios recebidos, estão o da Unesco, Nikon e da Sociedade Interamericana de Imprensa.

Fred Jordão


Fred Jordão é fotografo formado em Comunicação Social pela Universidade Católica de Pernambuco em 1988 e pós-graduado em Economia da Cultura pela URGS/FUNDAJ 2009. Em 2009 foi responsável pela Direção de Fotografia do Centro Audiovisual Norte-Nordeste da Fundaj. Foi repórter fotográfico do Jornal do Commércio de 1989-1991, do Diário de Pernambuco de 1993-1994 e free-lance de revistas e jornais com circulação nacional. Foi sócio-fundador da Imago fotografia Ltda. 1991-2008 e realizou a curadoria de fotografia para o Observatório Cultural Malakoff de 2002 a 2005. Exposições individuais: 1988- Tráfico de Imagens - Galeria Metropolitana de Arte do Recife PE | 1990- Sete Cantos do Recife - Espaço Cultural Bobo da Corte PE | 1995- As Cidades Invisíveis - Museu do Estado de Pernambuco PE | 1997- Baile Perfumado - Centro Cultural Itaú SP | 2006- A Praia Boa Viagem - Observatório Cultural Malakoff Recife PE | 2013- Carnaval de Rua – Arte Plural Galeria. Recife PE |2014- Carnaval de Rua do Recife – CAL Casa da America Latina. Lisboa, PT. Exposições coletivas: 1990- Fotojornalistas Pernambucanos - Shopping Center Recife | 1998- A Ver Pernambuco - MAMAM Recife PE | 2000-Retratos Pernambucanos - XX FIG Garanhuns PE | 2000- O Rio São Francisco a Natureza e o Homem - I Semana de Fotografia Pernambucana Recife PE | 2003-O Rio São Francisco a Natureza e o Homem - Espaço Cultura Artística São Paulo SP | 2003-Recife a Cidade Multicultural do Brasil - Cosmopolis Espace International Nantes FR | 2004- Pernambuco Preservado - Paço Alfandega Recife PE | 2005- Opara Un paisaje de identidad cultural - Universidad de Salamanca ES | 2006- Coletivo Fotográfico - MIS SP e Centro Cultural da Caixa RJ | 2013-Circuito Abierto – Convent de Sant Augusti – Barcelona, ES | 2015- A Arte da Lembrança. Itaú Cultural – São Paulo, SP. Livros: Projeto Lambe Lambe - Ed. dos autores | Rio São Francisco - O Homem e a Natureza - 50 anos da CHESF. | 5 Décadas de Arte em Pernambuco- Ed. Quadro Design | Pernambuco Popular - Um toque de Mestre - Ed Relicário | Eu Vi o Mundo - Ed Fanzine | É do Coco, é do Coqueiro – Ed. Relicário | Sertão Verde Paisagens – Ed. Do Autor.

Wellington Dantas


Natural do Recife, Wellington Dantas iniciou-se na fotografia nos idos de 1976 como autodidata e hobbysta experimentando laboratório P&B artesanal e diapositivos em suas horas de lazer. Abandonou o hobby no início dos anos 1980 e só retornou à fotografia em 2004 experimentando as câmeras digitais e as novas técnicas de laboratório digital. A partir daí foram inúmeros workshops em Paraty e Recife com renomados fotógrafos para se aperfeiçoar e se atualizar com a nova tecnologia da imagem. Embora amador por não se manter pela fotografia, fez vários trabalhos fotográficos para diversas empresas de Pernambuco e se realizou artisticamente como fotógrafo de palco realizando várias coberturas teatrais no Recife, notadamente nos festivais Janeiro de Grandes Espetáculos e Mostra Brasileira de Dança desde 2009. Participou de coletivas na Arte Plural Galeria em 2011, Imip em 2014 e 2015, e Casa Cor 2014. Em suas criações fotográficas autorais, procura corromper a realidade para dar um tom de fantasia, seja por técnicas de tratamento de imagem, enquadramentos ou colagens digitais procurando levar o espectador ao onírico que habita nosso mundo interior.

Hélia Scheppa


Nascida no Recife, Hélia Scheppa é formada em Jornalismo pela Unicap, atua há 17 anos como fotojornalista. Trabalhou nos jornais Folha de Pernambuco e no Jornal do Commercio, até março do ano passado. Finalista do Prêmio Esso 2015, já conquistou inúmeros prêmios, incluindo Cristina Tavares, Fundarpe, Sinduscon,  Urbana, Crea, Tim Lopes de Jornalismo, Vladimir Herzog e Mobgraphia 2015, com fotos de celular. Participou de exposições coletivas em São Paulo, pela Incubadora de Artistas e em Curitiba, pelo concurso Euroclick. Já expôs individualmente na cidade de Castelo Branco, em Portugal e no Recife realizou a exposição individual "Paisagens Oníricas", na Arte Plural Galeria, com imagens de celular e curadoria de Simonetta Persichetti. Participou das edições 2010, 2011, 2013, 2014 e 2015 do livro o Melhor do Fotojornalismo Brasileiro. No evento Fhox on the road Recife 2015 fez palestra sobre Emulsões digitais: o processo de ensaios fotográficos em smartphones. Possui 654 imagens decorando os quartos e áreas do hotel Courtyard Marriott Recife. Este ano teve 2 ensaios selecionados nas Convocatórias Brincante, do projeto Andarilha, de SP, e a do Festival Internacional de Fotografia de Porto Alegre. Atualmente participa da exposição coletiva "Legados", na Casa Pública, no Rio de Janeiro, o primeiro centro cultural do jornalismo independente. Prestou serviço para a agência Reuters durante a visita da cubana Yoani Sanchez e atualmente é fotógrafa independente.

Heudes Regis


Heudes Regis é fotógrafo desde 1988. Começou como assistente no estúdio do fotógrafo Giovanni Sérgio (RN) e logo depois foi trabalhar no jornal diário Tribuna do Norte (RN). Após esta experiência, passou pela sucursal da revista Veja Recife e pelo Jornal do Commercio. Ao mudar-se para São Paulo, trabalhou para a Veja São Paulo e prestou serviços para Forbes, Exame, Você S.A., VIP, Playboy, Caminhos da Terra, Viagem e Turismo, Guia 4 Rodas e Revista 4 Rodas.

No ano de 2009, junto com o departamento de Veja Cidades, viajou pelas principais capitais do Brasil para produzir a revista Comer e Beber de cada cidade. Hoje, atua como Editor na Editoria de Fotografia do Jornal do Commercio e da Agência JC Imagem, nas quais cuida da elaboração e feitura dos projetos especiais. Em 2011, participou como fotógrafo e expografista da exposição Pernambuco Vivo, na Torre Malakoff, no Bairro do Recife.

Hesíodo Góes


“Há em tudo fotografia e ela está posta em minha mesa diariamente. Fotógrafo desde 2010 quando entrei como estagiário na Folha de Pernambuco e jornalista por formação desde 2011. De lá pra cá, atuei nos principais veículos de comunicação impresso como repórter fotográfico e atualmente trabalho como fotógrafo na Secretaria de Turismo Esportes e Lazer de Pernambuco. Filho de Ana e Zacarias, três irmãos completamente diferentes, amado pela esposa Tati, cachorro Zeca e o gigante Otto, meu filho.”

Ivan Alecrin


“Sou nascido e criado no bairro da Ilha do Leite, centro do Recife, e tive, desde sempre, as vielas daquela área como pano de fundo de minhas memórias visuais. Meu primeiro grande sonho era ser “varredor de rua”. A ideia de sair andando pela cidade pendurado em um caminhão e falando com todo tipo de gente me agradava. Eu queria muito rodar cidade toda. Mas naquele universo uma coisa me atraia em especial o Kichute. Como qualquer menino da década de 80 do Recife, um bom kichute era uma promessa de ser um jogador de futebol. Eu nem queria ser jogador de verdade, mas adorava jogar bola no meio da rua. Eu sempre gostei de viver no meio da rua.


Depois que a vida da pré-adolescência derrubou com minhas ideias de sair perambulando em um caminhão de lixo, resolvi que queria ser desenhista. Eu adorava desenhar. Especialmente os conflitos de Herois com Vilões. Desenhava os encartes das minhas fitas de Master System e do Mega Drive e passava horas redesenhando os gibis do meu irmão mais novo. Especialmente os do Homem Aranha. No colégio, me juntava com alguns amigos que também gostavam de rabiscar e recriávamos as páginas de um monte de revistinhas ou criávamos nossos próprios personagens. Entrei e sai da adolescência querendo ser desenhista da MARVEL.


Mas uma coisa que jamais abandonei, mesmo apegado aos desenhos, foi a vontade de viver no meio da rua.Já na universidade, no meu segundo período e ainda com o sonho de ser um desenhista de gibi, eu encontrei a fotografia. Foi a colisão de duas coisas que eu adorava. Imagem e a rua. Eu poderia passar meu dia todo andando pelas ruas e criando as coisas que eu gostava. Automaticamente assumi a fotografia como minha possibilidade de criar e nela eu me encontrei. Fotografando me sinto um menino de kichute correndo pelas ruas do Recife.” 


João Urban


Currículo de João Urban, 1943: Livros publicados: “Bóias-Frias, Tageluhner in Suden Brazilien”, St. Gallen e Wupertal, 1984;  “Tropeiros”,São Paulo,  1992; “Aparecidas”, Rio de Janeiro, 2002; “Tui i Tam - Memórias da Imigração Polonesa”, Curitiba, 2004; “João Urban”, Coleção SENAC de Fotografia; N.°8:  Rios por Onde Passo, Curitiba – 2007: “Mar e Mata, Curitiba, 2009, Passeio Público, paisagens e personagens (em preparação), Benedito Domingo, novela, literatura (lançamento próximo) 14ª Bienal de São Paulo, 1977  | 15ª Bienal Internacional de SP | 5ª Bienal de Havana, 1994 | Prêmio Banco do Brasil, 35º Salão Paranaense de Artes Plásticas | Prêmio Bienal de São Paulo, na XIV Bienal de São Paulo (Equipe Bóias-Frias: Margareth Born, Renato Mazanek, Jamil Snege e João Urban)  | Prêmio Ensaio Banco J. P. Morgan-São Paulo, 1999 | Bolsa Vitae de Artes, 2000 | Prêmio Funarte Marc Ferrez. 2013 

Fotografias em acervos: Museu da Fotografia da Cidade de Curitiba; Museu de Moderna de São Paulo; Museu de Arte de São Paul (Coleção  Pirelli) ; Fundação Suiça para a Fotografia,  Zurich; Museu da Casa Brasileira SP; Museu de Arte Contemporânea(PR);Musée Français de la Photographie  Bievres; Coleção particular de Joaquim Paiva.


Juliana Leitão


Juliana Leitão é fotógrafa, pesquisadora e produtora cultural. Doutora em Comunicação (PPGCOM-UFPE) com o projeto: Fotojornalismo e questões contemporâneas (2012-2016). Atualmente é Gestora de Projetos e sócia fundadora do Coletivo Casa de Máquinas. Atua como docente de Ensino Superior e Coordenação de Curso em Comunicação Social e Fotografia. Em 2014 foi Bolsista da Capes - Programa Institucional Doutorado Sanduíche Exterior - PDSE na Universitat Autònoma de Barcelona (UAB), (2014). Atuou como fotojornalista de 2003 a 2011 nos jornais Diário de Pernambuco e Folha de Pernambuco.


Mateus Sá


Mateus Sá é fotógrafo/artista visual. Também atua como professor Universitário e Produtor Cultural.  É Co-fundador do FotoLibras (fotografia participativa com jovens surdos) e da ONG GEMA.  Iniciou na fotografia em 1997 e atualmente desenvolve uma pesquisa fotográfica intitulada “Lugar das Incertezas”. Em 2016 foi convidado para integrar a coleção “Diário Contemporâneo de Fotografia”, em Belém-PA, com o trabalho Reflexões II. Já em 2015 Participou das exposições “Gestos, Relatos, Escritas e Autoficções”, no Festival de Fotografia de Tiradentes– MG e “Calle Nuestra”, em diversos locais do Brasil e da América Latina. Também promove a itinerância de sua exposição “Antes de Ontem, Ontem e Hoje”, que já passou por Recife-PE, Belém-PA e João Pessoa-PB. 

Publicou o livro “Índios e Caboclos: Reencontros” – 2014, “A Cambinda Do Cumbe” – 2006 e “Luz do Litoral” – 2005. 

Foi um dos bolsistas do 48 Salão de Artes Plásticas de Pernambuco, com o trabalho “Pasta das Ideias”. Em 2011 foi finalista do 17 Concurso Latino Americano de Fotografía Documental "Los trabajos y los días" – Colombia. Em 2010 foi selecionado para expor no “Devercidade” (CE) e no “Diário Contemporâneo de Fotografia” (PA). Em 2009 foi finalista dos prêmios “Foto Arte Brasília” (DF) e “Porto Seguro Fotografia” (SP).


Marília Correia


Marília Correia Araújo é pernambucana e amante das artes e da vida. Historiadora de formação, fotógrafa de forma e coração, eterna questionadora das coisas do mundo. Graduada pela Universidade Católica de Pernambuco, há quatro anos trabalha profissionalmente como freelancer e participou de projetos autorais independentes. Dentre esses, trabalho assinado em capa de CD da banda instrumental Mabombe. Além de ensaios fotográficos publicados em sites nacionais, como BLCK MNDS e Revista Old. Sempre em busca de novos conceitos, seu interesse na fotografia está diretamente ligado com a sensibilidade entre o ser e o "somos".  Trabalho,  caos urbano, pressa, cores e movimento constroem uma poética aproximativa que narram pequenas histórias escondidas nos detalhes da vida urbana. Participou de exposições fotográficas coletivas,  última realizada em 2017, Obscura Lucidez.


Marcello Vitorino


Marcello Vitorino é professor de Fotografia no Museu de Arte Moderna de São Paulo desde 2012, onde ministra os cursos de Iniciação Fotográfica e Projetos Fotográficos, além de curador do Acervo Marcelo Min. Dedica-se à fotografia desde 1994. Além de fotografar comercialmente, dedica-se ao trabalho autoral tendo publicado ou exposto ensaios como "Concrecidade" (2002), "Ex-fabris" (2006), "Encontro com o Divino" (2010), "Agô" (2011), Destinos Flutuantes (2012), Refúgio da Luz (2013) e Salto para a Humanidade (2015). Integrou a equipe de repórteres fotográficos do Diário do Grande ABC (1997 a 1999), onde iniciou pesquisa sobre a obra de João Colovatti que resultou em sua monografia "João Colovatti: revelações de um anti-herói", apresentada em 2008 no curso de pós-graduação em Fotografia do Senac-SP. Integrou o Núcleo de Fotografia da Casa do Olhar de Santo André (1999 a 2007), tendo participado de diversas exposições e ações coletivas. 


Miva Filho


Miva Filho, fotógrafo pernambucano começou ainda criança a fotografar se profissionalizando há mais de quinze anos. Trabalhando principalmente com fotojornalismo, fotografia documental e autoral, atuou em jornais, revistas e assessorias do estado. É também professor universitário de comunicação e fotografia desde 2008 e sócio fundador do coletivo cultural Casa de Máquinas, onde produz eventos ligados a fotografia, realiza cursos e projetos culturais.


Nando Chiappetta


Nando Chiappetta é natural de Recife 1966, de origem italiana, sociólogo. Uniu a fotografia na sua linguagem fotográfica ainda durante o curso de sociologia. Os primeiros estudos na fotografia foi com o fotógrafo Firmo Netto em 1997, fotografia analógica, laboratório, revelação e ampliação. Em 1992 fez uma exposição na Suécia, "Meninos de Ruas do Brasil", abrindo possibilidades no mercado europeu. Em 1993 se transfere para Roma onde vive até 2004, colaborou com revistas e jornais Italianos e Holandeses, acompanhado de correspondentes na Itália. Desde 2010 trabalha no Diário de Pernambuco, na sua cidade Recife, e desenvolve projetos paralelos ao dia a dia do fotojornalismo.


Priscilla Buhr


Recifense, jornalista, desde 2007 trabalha com fotografia e vem pesquisando e realizando projetos relacionados à narrativas visuais motivadas pela compreensão e reconstrução do passado e trajetos emocionais. Ganhadora do Prêmio Brasil de Fotografia 2013 na categoria Revelação, integra o Clube de Colecionadores de Fotografia do MAMAM 2016. Durante cerca de um ano foi fotógrafa da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco, durante três anos foi repórter fotográfica do Jornal do Commercio, durante dois anos foi Gerente do Setor de Fotografia da Fundação de Cultura da Cidade do Recife e foi uma das fundadoras do coletivo 7Fotografia, desenvolvendo durante 5 anos diversas atividades de produção, pesquisa e debate na área de fotografia, na condição de co-autora, editora, produtora e fotógrafa.


Renata Maria Victor de Araujo


Renata Maria Victor de Araujo é graduada (1991) e pós-graduada (2002) em Design, pela UFPE. Desde 1983 possui experiência profissional na área da Fotografia. Trabalhou no Jornal do Comércio/PE, durante 10 anos - começou como repórter fotográfico, foi subeditora e depois assumiu a editoria de Fotografia. Leciona na Universidade Católica de Pernambuco desde 1992, nos Cursos de Jornalismo, Publicidade e Relações Públicas, Eventos e Fotografia. É, atualmente, a coordenadora do Curso Superior de Tecnologia em Fotografia, desde a sua criação. Participou de várias exposições, tal como Pernambuco Mix, da qual foi curadora em Recife e São Paulo. Fez a curadoria de diversas exposições, destacando-se a dos franceses Marc Riboud e Brassaï, na etapa Recife, promovida pela Aliança Francesa. Como professora orientadora, ganhou aproximadamente 55 prêmios nos Sets Universitários e INTERCOM. É idealizadora da série de documentários Fotógrafos Pernambucanos e do festival Fotovídeo. Coordena a Revista Unicaphoto. Tem vasta experiência na área de Artes e Design, com ênfase em Fotografia, principalmente fotojornalismo, fotopublicitária, curadoria fotográfica, linguagem fotográfica, memória fotográfica, fotografia para educação, artefatos educacionais e projeto editorial.


Renato Valle


Renato Valle (Recife 1958) começou como autodidata em 1976 e em 1979 passou a se dedicar exclusivamente à atividade artística.  Participou de cursos de desenho, pintura, gravura e história da arte; com Andrea Moreira, Flávio Gadelha, Gil Vicente e Laura Buarque, fundou o jornal mensal Edição de Arte (1988-1990); foi diretor técnico da Oficina Guaianases de Gravura (1993 -1995). Realizou várias exposições individuais, coletivas e residências artísticas em museus, institutos e galerias de arte; foi contemplado em salões e editais de artes visuais com premiações, projetos de exposições, oficinas, residências, pesquisas e publicações, por instituições e programas como o SIC municipal (Sistema de Incentivo à Cultura – PROJETO GRADES DE CAMINHÕES), FUNCULTURA, Programa BNB de Cultura, FUNARTE e SPA das Artes. Os projetos de residência que desenvolveu, em várias instituições, tiveram como características a interação com o público e a participação de funcionários, estudantes e professores. O mais longo foi o projeto DIÁLOGOS que percorreu várias instituições de artes visuais: Instituto de Arte Contemporânea (IAC) da Universidade Federal de Pernambuco, Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (MAMAM), Museu Murillo La Greca, Dumaresq Galeria de Arte, Spa Das Artes e Movimento Pró-Criança (Prêmio de Interações Estéticas da FUNARTE). O trabalho Diário de Votos e Ex-votos, exibido no Centro Cultural São Paulo – CCSP, é resultado do Prêmio Bolsa de Pesquisa e criação no 45º Salão de Artes Plásticas de Pernambuco. Atualmente o artista desenvolve a série Crônicas do Recife Antigo, grafite sobre papel.

Ricardo Labastier


Ricardo Labastier é natural de Olinda, no estado de Pernambuco. Nascido no ano de 1972. Estudou na Escola Superior de Comunicação e Marketing. Inicia-se na fotografia aos 18 anos, realizando ensaios fotográficos sobre a religiosidade no Sítio Histórico da sua cidade de origem. Artista selecionado nos festivais PhotoEspanã e Noordelicht no ano de 2007. Faz parte da Coleção Pirelli/Masp de Fotografia Brasileira, no ano de 2009, e MAMAM – Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, ano de 2010, além de acervos particulares. Já participou de importantes festivais de fotografia como convidado: FotoArte 2003 e 2005, em Brasília, Europalia, na Bélgica e Fotograma 13, no Uruguai.  Vencedor no ano de 2013 do prêmio Marc Ferrez de Fotografia com o trabalho “Abismo da Carne”.

Roberta Guimarães


Roberta Guimarães - (52) Jornalista e fotógrafa profissional. Cursou o Instituto Superiore di Fotografia   em Roma- Itália. Especializou-se em Estudos Cinematográficos (UNICAP). Recebeu a medalha de prata no Interpress Photo (1991). Lecionou Fotojornalismo na Universidade Católica de Pernambuco, (1991- 1992) e Criação Fotográfica na Faculdade Barros Melo- AESO (2008 - 2010).   Possui vários livros publicados, dentre eles:   Brincantes da Mata  -Recife - 2010, O Sagrado , a Pessoa e o Orixá – Recife – 2013.

Teresa Maia


Teresa Maia, recifense. Bacharelado em Comunicação Social com Habilitação em Fotografia.

Editora de Fotografia do Diario de Pernambuco. Prêmios  Cristina Tavares de Jornalismo, Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos, Prêmio Ayrton Senna de Joralismo, Pêmio BNB, Prêmio CREA, Prêmio Márcia Dangremon em Defesa dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes, Prêmio Alcir Lacerda, Pêmio Pernambuco Nação Cultural - FUNDARPE, Menção Honrosa no Prêmio Rey da Espanha.

6a Bienal de Fotoperiodismo – Galardon Iberoamérica México – 2005

Encontro Internacional de Fotografia de Arles –  França – 2006

Brasil mostra sua cara, cores e formas – Museu Nogueira da Silva - Braga, Portugal – 2008

Yêda Bezerra de Mello


Yêda Bezerra de Mello é formada em Artes Visuais pela Universidade Federal de Pernambuco. Iniciou seus estudos em fotografia na Escola Panamericana de Artes, São Paulo, (1987 - 1988), onde lecionou no período de 1989 a 1991. Em 2011, ministrou aulas no curso de Fotografia da Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). Em Recife trabalhou como fotojornalista para o Jornal do Commercio (1992 – 1995); foi  Editora Adjunta de Fotografia no jornal Folha de Pernambuco (1998-1999) e também colaborou para vários jornais e revistas. Atualmente, atua profissionalmente na área de fotojornalismo e publicidade, desenvolvendo projetos pessoais, exibidos em diversas exposições individuais e coletivas. Finalista com o ensaio “O casamento - Prêmio  Fundação Conrado Wessel de Arte 2010, SP. Publicou o livro “Para poder te olhar”, 2015.

Gustavo Bettini


nasceu em São Paulo, mas iniciou sua carreira fotográfica em Pernambuco, onde mora desde 2000. Pós-graduado em Jornalismo Cultural pela Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), tem no fotojornalismo sua base de formação. Trabalhou no Jornal Folha de Pernambuco de 2003 a 2008, quando resolveu mergulhar nos projetos autorais e ingressou numa sociedade que deu origem ao Atelier de Impressão, empresa especializada em fotografias com padrão fineart. Em seu currículo, além de exposições coletivas, estão: Inframargem: Margens de Um Mundo Infravermelho (2008), individual, e Entremeios (2014), em parceria com Lia Lumbambo, sua sócia na Agência Lusco, de fotografia. Bettini também recebeu menção honrosa no 11º Concurso Itaú BBA de Fotografias, participando da Exposição no Museu da Casa Brasileira, em São Paulo, em 2006, foi selecionado para expor na Bienal Internacional de Fotografia da Espanha Aqueducte 2006, um dos principais eventos da fotografia mundial; venceu a seleção de portfólios da segunda edição do Paraty em foco em 2006 e participou da edição de 2009, entre os principais profissionais da fotografia do país. Lançou em dezembro de 2015 o livro Entremeios, em parceria com Lia Lubambo, com fotografias noturnas do sertão Pernambucano. Em 2016, foi finalista do prêmio Fundação Conrado Wessel de Fotografia com o projeto Entremeios, que vai gerar como resultado participação na exposição e publicação em livro.